instituto souza cruz - PEJR forma primeira turma na Bahia

Home

Empreendedorismo que transforma

06/15/2011 - Andrea Guedes

A formatura, realizada no dia 11 de junho, reuniu os 26 novos Agentes de Desenvolvimento Rural, que atuarão no território baiano do Sisal. A implantação do PEJR no estado foi viabilizada pela parceria entre o Instituto Souza Cruz e o Movimento de Organização Comunitária (MOC)

Formandos do PEJR na Bahia (Foto: MOC)A primeira turma baiana do Programa Empreendedorismo do Jovem Rural (PEJR) concluiu a formação no dia 11 de junho, com uma cerimônia de formatura realizada no município de Retirolândia. Além dos 26 formandos, também prestigiaram a conclusão do PEJR familiares dos jovens, educadores, lideranças políticas e representantes de instituições sociais do território do Sisal.

Segundo Givaldo Souza, coordenador de Juventude do MOC e educador do PEJR, a celebração representou um marco no trabalho com jovens rurais na região do Sisal. "Isso pode ser visto na participação ativa das famílias dos jovens, no envolvimento das organizações territoriais, na presença de lideranças políticas. Todos avaliaram positivamente o programa e o trabalho desempenhado com esta primeira turma”, destaca.

O próximo desafio, aponta o educador, é continuar apoiando os jovens na implementação de seus projetos de vida para que, dentro da visão proposta pelo programa, eles tenham acesso à autonomia sustentável e, consequentemente, mais oportunidades de formação e qualificação para o exercício da cidadania e do protagonismo no meio rural.

“A partir do PEJR, acreditamos que teremos avanços importantíssimos no trabalho que as organizações vêm desenvolvendo com os jovens da região, na perspectiva de sua inserção produtiva e seu empoderamento econômico no contexto da agricultura familiar”, completa Givaldo.

Projetos empreendedores
Ao longo de um ano de formação no PEJR, cada jovem desenvolve um projeto de vida para construir, de forma qualificada e sustentada, uma proposta de negócio para gerar renda no campo, para a família e a comunidade.

Os projetos dos 26 formados foram apresentados, no mês de junho, nos seis municípios onde vivem: Araci, Conceição do Coité, Ichu, Retirolândia, Santaluz e Serrinha. 

Apicultura como fonte de renda – Aos 26 anos, Geovânio Silva dos Santos é morador da comunidade de Jibóia, no município de Retirolândia. Em sua propriedade, onde vive com a família, ele cria caprinos, ovinos, e também desenvolve a horticultura. No entanto, a apicultura foi a prática escolhida pelo jovem no momento de elaborar o projeto.

Geovânio conta que o trabalho com as abelhas começou através de alguns agricultores que o incentivaram. Desde então, o Agente de Desenvolvimento Rural resolveu aliar a geração de renda com a preservação do meio ambiente. “Eu trabalho com a apicultura há dois anos. A formação do PEJR despertou em mim o desejo de aumentar minha produção”, disse Geovânio.

No projeto, o jovem pretende aumentar a criação de abelha italiana, adquirindo mais caixas para a produção de mel. “A apicultura hoje está crescendo muito na nossa região semiárida, constituindo-se numa ótima alternativa para gerar renda”, ressalta Geovânio.

Com informações do Movimento de Organização Comunitária (MOC)

 

+ Av. República do Chile, 330, Centro - Rio de Janeiro - RJ CEP: 20031-170
Tel: 21.3849.9619 | institutosouzacruz@institutosouzacruz.org.br
Instituto Souza Cruz© 2011 - Todos os Direitos Reservados